De onde vem ? Máximas, ditados populares.

As leis do Código de Hamurabi estão gravadas numa pedra com mais ou menos 2m altura.  Na rocha estão talhadas 46 colunas de escrita cuneiforme acádica. Seu local de origem era o templo do deus babilônico Marduk, em Sippar, às margens do rio Eufrates – atual Tell Abu Habbah, próximo a Bagdá.

Veja comentário de Henrique.

 

~~~~~~~~~~~Lar&Etc ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

EXPLICAÇÕES DE ALGUMAS EXPRESSÕES QUE USAMOS E NEM SEMPRE SABEMOS DE ONDE ORIGINOU-SE – POR PROF PASQUALE
por FOTOS DE MURAL, Terça, 31 de Janeiro de 2012 às 10:08 ·

CUSPIDO E ESCARRADO: Quando falamos que fulano é o pai cuspido e escarrado, queremos dizer que o sujeito em questão é muito parecido com o genitor. E foi também por ser parecida com sua expressão original que o termo “cuspido e escarrado” surgiu. Ele é, na verdade, resultado de alguns mal-entendidos.

No Brasil colonial, os barões do café contratavam artistas para esculpirem seus bustos, num sinal de pompa. Para retratar fielmente o barão, era exigido que sua imagem fosse esculpida em mármore de carrara, famosa pedra italiana conhecida por ser o mármore mais duro que existe. A estátua, que ficava realmente muito parecida com o ilustre modelo, deu origem à expressão “esculpida em carrara”. Acontece que, da cozinha, os criados acabaram distorcendo-a para “cuspido e escarrado”. A nova – e bem mais nojenta – versão acabou pegando.

 

 

NAS COXAS As primeiras telhas do Brasil eram feitas de argila moldada nas coxas dos escravos. Como os escravos variavam de tamanho e porte físicos, as telhas ficavam desiguais. Daí a expressão fazendo nas coxas, ou seja, de qualquer jeito.

 

VOTO DE MINERVA Na Mitologia Grega, Orestes, filho de Clitemnestra, foi acusado de tê-la assassinado. No julgamento havia empate entre os jurados, cabendo à deusa Minerva, da Sabedoria, o voto decisivo. O réu foi absolvido, e Voto de Minerva é, portanto, o voto decisivo.

 

CASA DA MÃE JOANA Na época do Brasil Império, mais especificamente durante a menoridade do Dom Pedro II, os homens que realmente mandavam no país costumavam se encontrar num prostíbulo do Rio de Janeiro cuja proprietária se chamava Joana. Como, fora dali, esses homens mandavam e desmandavam no país, a expressão casa da mãe Joana ficou conhecida como sinônimo de lugar em que ninguém manda.

 

CONTO DO VIGÁRIO Duas igrejas de Ouro Preto receberam, como presente, uma única imagem de determinada santa, e, para decidir qual das duas ficaria com a escultura, os vigários apelaram à decisão de um burrico. Colocaram-no entre as duas paróquias e esperaram o animalzinho caminhar até uma delas. A escolhida pelo quadrúpede ficaria com a santa. E o burrico caminhou direto para uma delas… Só que, mais tarde, descobriram que um dos vigários havia treinado o burrico, e conto do vigário passou a ser sinônimo de falcatrua e malandragem.

 

A VER NAVIOS Dom Sebastião, jovem e querido rei de Portugal (sec XVI), desapareceu na batalha de Alcácer-Quibir, no Marrocos. Provavelmente morreu, mas seu corpo nunca foi encontrado. Por isso o povo português se recusava a acreditar na morte do monarca, e era comum que pessoas subirem ao Alto de Santa Catarina, em Lisboa, na esperança de ver o Rei regressando à Pátria. Como ele não regressou, o povo ficava a ver navios.

 

NÃO ENTENDO PATAVINAS Os portugueses tinham enorme dificuldade em entender o que falavam os frades italianos patavinos, originários de Pádua, ou Padova. Daí que não entender patavina significa não entender nada.

 

DOURAR A PÍLULA Antigamente as farmácias embrulhavam as pílulas amargas em papel dourado para melhorar o aspecto do remedinho.A expressão dourar a pílula significa melhorar a aparência de algo ruim.

 

SEM EIRA NEM BEIRA Os telhados de antigamente possuíam eira e beira, detalhes que conferiam status ao dono do imóvel. Possuir eira e beira era sinal de riqueza e de cultura.  Estar sem eira nem beira significa que a pessoa é pobre e não tem sustentáculo no raciocínio.

 

JURAR DE PÉS JUNTOS: – Mãe, eu juro de pés juntos que não fui eu.A expressão surgiu através das torturas executadas pela Santa Inquisição, nas quais o acusado de heresias tinha as mãos e os pés amarrados (juntos) e era torturado pra dizer nada além da verdade. Até hoje o termo é usado pra expressar a veracidade de algo que uma pessoa diz.

 

MOTORISTA BARBEIRO: – Nossa, que cara mais barbeiro! No século XIX, os barbeiros faziam não somente os serviços de corte de cabelo e barba, mas também, tiravam dentes, cortavam calos, etc, e por não serem profissionais, seus serviços mal feitos geravam marcas. A partir daí, desde o século XV, todo serviço mal feito era atribuído ao barbeiro, pela expressão “coisa de barbeiro”. Esse termo veio de Portugal, contudo a associação de “motorista barbeiro”, ou seja, um mau motorista, é tipicamente brasileira.

 

TIRAR O CAVALO DA CHUVA: – Pode ir tirando seu cavalinho da chuva porque não vou deixar você sair hoje! No século XIX, quando uma visita iria ser breve, ela deixava o cavalo ao relento em frente à casa do anfitrião e se fosse demorar, colocava o cavalo nos fundos da casa, em um lugar protegido da chuva e do sol. Contudo, o convidado só poderia pôr o animal protegido da chuva se o anfitrião percebesse que a visita estava boa e dissesse: “pode tirar o cavalo da chuva”. Depois disso, a expressão passou a significar a desistência de alguma coisa.

 

À BEÇA: – O mesmo que abundantemente, com fartura, de maneira copiosa. A origem do dito é atribuída às qualidades de argumentador do jurista alagoano Gumercindo Bessa, advogado dos acreanos que não queriam que o Território do Acre fosse incorporado ao Estado do Amazonas. 

DAR COM OS BURROS N’ÁGUA: A expressão surgiu no período do Brasil colonial, onde tropeiros que escoavam a produção de ouro, cacau e café, precisavam ir da região Sul à Sudeste sobre burros e mulas. O fato era que muitas vezes esses burros, devido à falta de estradas adequadas, passavam por caminhos muito difíceis e regiões alagadas, onde os burros morriam afogados. Daí em diante o termo passou a ser usado pra se referir a alguém que faz um grande esforço pra conseguir algum feito e não consegue ter sucesso naquilo. 

 

GUARDAR A SETE CHAVES: No século XIII, os reis de Portugal adotavam um sistema de arquivamento de jóias e documentos importantes da corte através de um baú que possuía quatro fechaduras, sendo que cada chave era distribuída a um alto funcionário do reino. Portanto eram apenas quatro chaves. O número sete passou a ser utilizado devido ao valor místico atribuído a ele, desde a época das religiões primitivas. A partir daí começou-se a utilizar o termo “guardar a sete chaves” pra designar algo muito bem guardado. 

OK: A expressão inglesa “OK” (okay), que é mundialmente conhecida pra significar algo que está tudo bem, teve sua origem na Guerra da Secessão, no EUA. Durante a guerra, quando os soldados voltavam para as bases sem nenhuma morte entre a tropa, escreviam numa placa “0 killed” (nenhum morto), expressando sua grande satisfação, daí surgiu o termo “OK”. 

ONDE JUDAS PERDEU AS BOTAS: Existe uma história não comprovada, de que após trair Jesus, Judas enforcou-se em uma árvore sem nada nos pés, já que havia posto o dinheiro que ganhou por entregar Jesus dentro de suas botas. Quando os soldados viram que Judas estava sem as botas, saíram em busca delas e do dinheiro da traição. Nunca ninguém ficou sabendo se acharam as botas de Judas. A partir daí surgiu à expressão, usada pra designar um lugar distante, desconhecido e inacessível. 

 

PENSANDO NA MORTE DA BEZERRA: A história mais aceitável para explicar a origem do termo é proveniente das tradições hebraicas, onde os bezerros eram sacrificados para Deus como forma de redenção de pecados. Um filho do rei Absalão tinha grande apego a uma bezerra que foi sacrificada. Assim, após o animal morrer, ele ficou se lamentando e pensando na morte da bezerra. Após alguns meses o garoto morreu.

 

PARA INGLÊS VER: A expressão surgiu por volta de 1830, quando a Inglaterra exigiu que o Brasil aprovasse leis que impedissem o tráfico de escravos. No entanto, todos sabiam que essas leis não seriam cumpridas, assim, essas leis eram criadas apenas “pra inglês ver”. Daí surgiu o termo.

 

RASGAR SEDA: A expressão que é utilizada quando alguém elogia grandemente outra pessoa, surgiu através da peça de teatro do teatrólogo Luís Carlos Martins Pena. Na peça, um vendedor de tecidos usa o pretexto de sua profissão pra cortejar uma moça e começa a elogiar exageradamente sua beleza, até que a moça percebe a intenção do rapaz e diz: “Não rasgue a seda, que se esfiapa”.

 

 

O PIOR CEGO É O QUE NÃO QUER VER: Em 1647, em Nimes, na França, na universidade local, o doutor Vicent de Paul D`Argent fez o primeiro transplante de córnea em um aldeão de nome Angel. Foi um sucesso da medicina da época, menos pra Angel, que assim que passou a enxergar ficou horrorizado com o mundo que via. Disse que o mundo que ele imaginava era muito melhor. Pediu ao cirurgião que arrancasse seus olhos. O caso foi acabar no tribunal de Paris e no Vaticano. Angel ganhou a causa e entrou pra história como o cego que não quis ver.

 

ANDA À TOA: Toa é a corda com que uma embarcação reboca a outra. Um navio que está à toa é o que não tem leme nem rumo, indo pra onde o navio que o reboca determinar.

 

QUEM NÃO TEM CÃO, CAÇA COM GATO: Na verdade, a expressão, com o passar dos anos, se adulterou. Inicialmente se dizia quem não tem cão caça como gato, ou seja, se esgueirando, astutamente, traiçoeiramente, como fazem os gatos.

 

DA PÁ VIRADA: A origem do ditado é em relação ao instrumento, a pá. Quando a pá está virada pra baixo, voltada pro solo, está inútil, abandonada decorrentemente pelo Homem vagabundo, irresponsável, parasita.

 

NHENHENHÉM: Nheë, em tupi, quer dizer falar. Quando os portugueses chegaram ao Brasil, os indìgenas não entendiam aquela falação estranha e diziam que os portugueses ficavam a dizer “nhen-nhen-nhen”.

 

VAI TOMAR BANHO: Em “Casa Grande & Senzala”, Gilberto Freyre analisa os hábitos de higiene dos índios versus os do colonizador português. Depois das Cruzadas, como corolário dos contatos comerciais, o europeu se contagiou de sífilis e de outras doenças transmissíveis e desenvolveu medo ao banho e horror à nudez, o que muito agradou à Igreja. Ora, o índio não conhecia a sífilis e se lavava da cabeça aos pés nos banhos de rio, além de usar folhas de árvore pra limpar os bebês e lavar no rio as redes nas quais dormiam. Ora, o cheiro exalado pelo corpo dos portugueses, abafado em roupas que não eram trocadas com freqüência e raramente lavadas, aliado à falta de banho, causava repugnância aos índios. Então os índios, quando estavam fartos de receber ordens dos portugueses, mandavam que fossem “tomar banho”.

 

ELES QUE SÃO BRANCOS QUE SE ENTENDAM: Esta foi das primeiras punições impostas aos racistas, ainda no século XVIII. Um mulato, capitão de regimento, teve uma discussão com um de seus comandados e queixou-se a seu superior, um oficial português. O capitão reivindicava a punição do soldado que o desrespeitara. Como resposta, ouviu do português a seguinte frase: “Vocês que são pardos, que se entendam”. O oficial ficou indignado e recorreu à instância superior, na pessoa de dom Luís de Vasconcelos (1742-1807), 12° vice-rei do Brasil. Ao tomar conhecimento dos fatos, dom Luís mandou prender o oficial português que estranhou a atitude do vice-rei. Mas, dom Luís se explicou: Nós somos brancos, cá nos entendemos.

 

A DAR COM O PAU: O substantivo “pau” figura em várias expressões brasileiras. Esta expressão teve origem nos navios negreiros. Os negros capturados preferiam morrer durante a travessia e, pra isso, deixavam de comer. Então, criou-se o “pau de comer” que era atravessado na boca dos escravos e os marinheiros jogavam sapa e angu pro estômago dos infelizes, a dar com o pau. O povo incorporou a expressão.

 

 

ÁGUA MOLE EM PEDRA DURA, TANTO BATE ATÉ QUE FURA: Um de seus primeiros registros literário foi feito pelo escritor latino Ovídio (43 a.C.-18 d.C), autor de célebres livros como “A arte de amar “e “Metamorfoses”, que foi exilado sem que soubesse o motivo. Escreveu o poeta: “A água mole cava a pedra dura”. É tradição das culturas dos países em que a escrita não é muito difundida formar rimas nesse tipo de frase pra que sua memorização seja facilitada. Foi o que fizeram com o provérbio, portugueses e brasileiros.

 

– A carne é fraca – Essa expressão retirada da bíblia representa a dificuldade de se resistir a certas tentações. A gula (pecado ou não) está sempre nos mostrando isso, porque a carne pode até ser fraca, mas grelhadinha no molho de mostarda…hum! Fica divina. “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”. (Mt. 26:41)

 

– Apressado come cru – Como o microondas e o fast food são invenções recentes, até certo tempo atrás era preciso esperar um pouco mais para a comida ficar pronta, ou então comê-la crua. Nessa época a culinária japonesa ainda não estava na moda, logo comida crua era vista com maus olhos, e a expressão passou a ser usada para significar afobamento, precipitação…etc.

 

– Arroz de festa – Assim são chamadas aquelas pessoas que não perdem uma festa por nada, tendo ou não sido convidadas pra mesma. A origem dessa expressão talvez advenha do costume de se jogar arroz em recém casados. Mas o mais provável é que ela tenha surgido devido a uma antiga tradição portuguesa. Nas festas e comemorações das tradicionais famílias portuguesas nunca faltava uma sobremesa feita com arroz, leite, açúcar e algumas especiarias (arroz doce) e que era conhecida, na época, como “arroz de festa”.

 

– Chorar as pitangas – Pitangas são deliciosas frutinhas vermelhas cultivadas e apreciadas em todo o país, principalmente nas regiões norte e nordeste. A palavra pitanga deriva de pyrang, que em tupi guarani significa vermelho. Sendo assim a provável relação da fruta com o pranto vem do fato de os olhos ficarem vermelhos, parecendo duas pitangas, quando se chora muito.

 

– Comer o pão que o diabo amassou –Significa passar por uma situação difícil, um sofrimento. Imagino que a origem dessa expressão venha do fato de que deve ser, realmente, indigesto engolir um pão amassado (amassar é o mesmo que fazer a massa) pelo capeta. Além da procedência, nada confiável, do produto (se vem do coisa ruim, boa coisa não pode ser) tem grandes chances desse pão vir queimado, já que foi assado no fogo do inferno.

 

– Dar uma banana –É das poucas expressões que são acompanhadas por um gesto. Aliás, neste caso, o mais provável é que o gesto tenha inspirado a expressão, já que ele existe em vários países como Portugal, Espanha, Itália e Brasil. Em todos esses lugares o gesto significa a mesma coisa: um desabafo ou uma ofensa. Já a alusão à banana é exclusividade tupiniquim e fica por conta da criatividade, tão peculiar ao brasileiro.

 

– Farinha do mesmo saco – “Homines sunt ejusdem farinae”esta frase em latim (homens da mesma farinha) é a origem dessa expressão, utilizada para generalizar um comportamento reprovável. Como a farinha boa é posta em sacos diferentes da farinha ruim, faz-se essa comparação para insinuar que os bons andam com os bons enquanto os maus preferem os maus.

 

– Pagar o pato –A expressão deriva de um antigo jogo praticado em Portugal. Amarrava-se um pato a um poste e o jogador (em um cavalo) deveria passar rapidamente e arrancá-lo de uma só vez do poste. Quem perdia era que pagava pelo animal sacrificado, sendo assim passou-se a empregar a expressão para representar situações onde se paga por algo sem obter um benefício em troca.

 

– Ser de meia tigela – Na época da monarquia portuguesa muitos jovens habitavam os castelos, eles prestavam serviços domésticos à corte e recebiam alimentação e moradia por isso. Entre estes jovens, haviam vários vindos do interior, que pela pouca experiência e origem humilde, eram desprezados pelos veteranos, sendo ironicamente tratados por “fidalgos de meia tigela”, já que embora habitassem o palácio não participavam de rituais importantes da corte. Como em alguns desses ritos quebravam-se tigelas, dizia-se que eles eram de meia tigela porque nunca quebrariam a tigela, privilégio reservado aos nobres.

 

 

Ditos populares corrigidos pelo professor Pasquale

Ea gente pensa que repete corretamente os ‘ditos populares’…

No popular se diz:

Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho carpinteiro“Minha grande dúvida na infância… Mas que bicho é esse que é carpinteiro, um bicho pode ser carpinteiro??? Correto: ‘Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro‘Tá aí a resposta para meu dilema de infância! EU NÃO SABIA. E VOCÊ?

Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão.Correto: ‘Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.’“Se a batata é uma raiz, ou seja, nasce enterrada, como ela se esparrama pelo chão se ela está embaixo dele?” Tudo bem eu era uma malinha!

Cor de burro quando foge.Correto : ‘Corro de burro quando foge!‘ “Esse foi o pior de todos! Burro muda de cor quando foge??? Qual cor ele fica??? Porque ele muda de cor ???” Eu queria porque queria ver um burro fugindo para ver a cor dele!

Outro que no popular todo mundo erra: Quem tem boca vai a Roma.“Bom, esse eu entendia, de um modo errado, mas entendia! Pensava que quem sabia se comunicar ia a qualquer lugar!” Correto : ‘Quem tem boca vaia Roma.‘ (isso mesmo, do verbo vaiar).

Outro que todo mundo diz errado, Cuspido e escarradoQuando alguém quer dizer que é muito parecido com outra pessoa. “Esse… Sei lá!”Correto : ‘Esculpido em Carrara.‘ (Carrara é um tipo de mármore)

Mais um famoso…. Quem não tem cão, caça com gato. “Entendia também, errado, mas entendia! Se não tem o cão para ajudar na caça o gato ajuda!Tudo bem que o gato só faz o que quer, quando quer e se quer, mas vai que o bicho tá de bom humor!”Correto : ‘Quem não tem cão, caça como gato…. ou seja, sozinho!’

Vai dizer que você falava corretamente algum desses? rs

 

 

 

~Fonte: http://www.facebook.com/fotosdemural#!/notes/fotos-de-mural/explica%C3%A7%C3%B5es-de-algumas-express%C3%B5es-que-usamos-e-nem-sempre-sabemos-de-onde-origin/340028559351186

Filmes & Falas

Palavras…

Preciso começar por este filme…

“A Felicidade não se compra”

Clarence:Lembre-se: você nunca será um fracasso enquanto tiver amigos…Obrigado por me ajudar a ganhar minha asa

Zuzu Bailey: “Olhe, Papai. A professora disse que toda vez que um sino toca, um anjo ganha as suas asas.”                                                                                                                                                                                                      Clarence: “Você ganhou um grande presente, George: uma chance de ver como o mundo seria sem você. (…) Estranho, não é? A vida de cada homem toca tantas outras vidas. Quando ele deixa de existir ele deixa um vazio terrível, não é?”

Título Original: Its´s a wonderful life

“Nossa” resenha:

Em Bedford Falls, no Natal, George Bailey (James Stewart), que sempre foi muito solidário, pensa em se suicidar saltando de uma ponte, em razão das maldades de Henry Potter (Lionel Barrymore), o homem mais rico da região. Mas com a ajuda de muitas pessoas orando por ele, Clarence (Henry Travers), um “anjo de segunda classe” que espera há 220 anos para ganhar asas, é mandado à Terra para tentar fazer George mudar de idéia, demonstrando sua importância e…a tua, a minha…a diferença que cada um faz.

Frank Capra é um mestre na criação de filmes com mensagens que reforçam valores de família, lealdade, honestidade, coragem, sacrifício. Capra é sempre extremamente otimista sobre a condição humana. George Bailey, um homem com grandes idéias para conquistas sobre mundo, vai abandonando tudo para fazer o simples e preciso na cidade em que vive. O entusiasmo de Stewart com os olhos arregalados e charme juvenil, juntamente com sua força de caráter inabalável faz dele o herói perfeito da história. Este filme é o número onze na lista AFI dos melhores filmes do século Foi nomeado para cinco Oscars, mas não ganhou nenhum. Um clássico eterno.

Frank Capra – o cineasta do otimismo e da bondade sem ser piegas e sem precisar de nenhum recurso além de inteligência e emoção. A mais emocionante obra a que assisti sobre o valor do ser humano e da amizade.

Uma fantasia cinematográfica pouco explorada nas últimas décadas. Sem elfos, magos, duendes, fadas, dragões ou gnomos, a obra-prima de Capra se adequa mais ao tipo de fantasia com a qual Rod Serling trabalhava na sua série “Além da Imaginação”. Podemos dizer que aqui James Stewart visita a Zona do Crepúsculo guiado por Frank Capra e por seu anjo sem asas, levando o público junto numa viagem através da própria consciência e de um conto natalino que quem viu, jamais esquece.
James Stewart virou marca registrada do homem comum norte-americano, tanto nos filmes de Hitchcock como nos de Frank Capra.

Assista ao filme com suas crianças no Natal !!! Ou qualquer dia!  E Sempre!

Direção: Frank Capra

Roteiro: Albert Hackett, Edward Stevenson, mais »

Elenco: Adriana Caselotti (Singer at Martini’s)Almira Sessions (Potter’s Secretary)Argentina Brunetti (Mrs. Maria Martini)Arthur Howardmais
Países de Origem: Estados Unidos da América
Estreia Mundial: 1946
Estreia Brasil:      1946

……………………………Lar&Etc……………………………….

Do filme  “Compramos um zoológico”:

“Você só precisa de 20 segundos de uma coragem insana e eu lhe prometo que resultará em algo grandioso.”

(Benjamin Mee)

Título Original: We Bought a Zoo

Minha resenha:

Baseado no livro de memórias de Benjamin Mee, sobre como o autor e sua família minvestiu muito (não só dinheiro) para comprar um zoológico em ruínas com 200 animais exóticos. Assistia ao filme com sua crianças.

L – Livre para todos os públicos
 – 124 min
Direção:

Elenco: Angus Macfadyen (Peter MacCready)Carla Gallo (Rhonda)Colin FordCrystal (Crystal the Capuchin)
Países de Origem:

Estreia Mundial: 23 de Dezembro de 2011
Estreia Brasil: 23 de Dezembro de 2011
……………………………Lar&Etc……………………………….

Do filme  “A Revolução dos Bichos”:

“Já naquela altura, depois de tanto abuso, era impossível distinguir homem de porco.”

Li o livro pra meus filhos, quando eles tinham 6 e 9 anos,eles aproveitaram muito a leitura e, principalmente, curtiram..

……………………………Lar&Etc……………………………….

Por falar em filhos, agora eles fazem suas escolhas:

Do filme  “Batman Begins”:

“Não é quem eu sou por dentro e sim, o que eu faço é que me define”.

“Nós caímos para aprendermos a nos levantar”.

……………………………Lar&Etc……………………………….

Do filme  “As crônicas de Nárnia”:

“Nada acontece dua vezes da mesma maneira”.

……………………………Lar&Etc……………………………….

Do filme  “Eu, Robô”:

“Não acredito que você passou a vida inteira sem ler João e Maria!”

Do filme  “Kung Fu Panda”:

“O ontem é história, o amanhã é um mistério, mas o hoje é uma dádiva. É por isso que se chama presente”

……………………………Lar&Etc……………………………….

Filhos !!!!! (fonte: de http://www.coronelsarmento.xpg.com.br/frasesfilmes.htm)

Harry Potter e a Ordem da Fênix.

Chegou a hora de escolhermos entre o que é certo e o que é fácil.

Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir.

Harry Potter e a Pedra Filosofal.

É preciso muita coragem para enfrentar um inimigo, e ainda mais coragem para enfrentar uma amigo.

Para uma mente bem estruturada, a morte é apenas a aventura seguinte!

Para uma mente bem estruturada, a morte é apenas a aventura seguinte!

Só existe o poder, e aqueles que são fracos o bastante para conquistá-lo.

Harry Potter e as Relíquias da Morte.

Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

Só vou me juntar a você quando o inferno congelar!

Harry Potter e o Cálice de Fogo.

Não faça perguntas e não te direi mentiras.

O mais importante é distinguir o certo do que é fácil

Se você quer saber como um homem é, veja como ele trata seus inferiores, e não seus iguais.

Se você quer saber como um homem é, veja como ele trata seus inferiores, e não seus iguais.

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban.

A palavra de uma criança, embora honesta e verdadeira tem pouco valor para aqueles que não sabem mais ouvir.

Deixem-o dormir, porque nos sonhos entramos num mundo inteiramente nosso, deixem que flutue na mais alta nuvem ou que mergulhe no mais profundo oceano.

É possível encontrar a felicidade nas horas mais sombrias, se a pessoa se lembrar de acender a luz.

……………………………Lar&Etc……………………………….

Do filme  “O Segredo dos animais”:

“O melhor líder não é o maior, nem o mais forte. O maior líder é aquele que mais se importa”.

……………………………Lar&Etc……………………………….

Do filme  “Ponte para Terabítia”:

“Feche os olhos, mas deixe a mente aberta”.

……………………………Lar&Etc……………………………….

(Não sei de que filme/livro…)

A melhor solução é sempre a mais simples.

Do filme  “Casamento Grego”:

“O homem pode ser a cabeça da família, mas a mulher é o pescoço e ela gira para onde ela quiser”.

……………………………Lar&Etc……………………………….
“Onde está a felicidade” (Brasil/Espanha, 2011)
É pra relaxar! É uma deliciosa comédia! É isso!

……………………………Lar&Etc……………………………….

……………………………Lar&Etc……………………………….
……………………………Lar&Etc……………………………….
               http://www.coronelsarmento.xpg.com.br/frasesfilmes.htm (falas)
               http://blogdokley.blogspot.com.br/2010/06/colher-nao-existe-matrix-carpe-diem.html (frases marcantes do cinema)
               eu mesma

Comidinhas * Receitas d& massas

Pão caseiro recheado

Ingredientes:

2 xícaras de cha de farinha de trigo

1 ovo inteiro

1 colher de café de sal

3 colheres de sopa de óleo

1/2 xícara de chá de leite

1 colher de sobremesa de margarina

1 colher de chá de fermento em pó (químico)

2 tomates em rodelas

150 g de presunto

150 g de mussarela

Orégano a gosto

Modo de preparo:

Em um recipiente misture a farinha, o ovo, o sal, o óleo, a margarina, o fermento e o leite. Misture tudo com as mãos, até a massa se soltar. Abra a massa com um rolo, deixando-a bem esticada. Recheie com presunto, a mussarela, os tomates em rodelas e salpique com orégano. Enrole como um rocambole fechando as pontas. Pincele com gema e leve ao forno por mais ou menos de 20 a 25 minutos.

Fonte: http://blogluxodcasa.wordpress.com/2012/08/17/receita-salgada-e-saborosa-para-o-fim-de-semana/

http://casadachris.uol.com.br/receitas_materia.php?id=180

~~~Lar&Etc ~~~

P/Testar

http://contigo.abril.com.br/receita/receita_294562.shtml

http://guiadacozinha.uol.com.br/receitas/2307-Receita-de-Bolo-salgado-de-cebolinha

Torta Cebolinha

Tempo de Preparo: 1h 30min Rendimento: 50 porções

Ingredientes: Massa:

  • 1/2 kg de trigo
  • 1 ovo
  • 250 g de manteiga
  • 1/2 copo de leite
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 colher de sopa de fermento

Recheio:

  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • 2 colheres de sopa de creme de cebola (encontrase no supermercado o pacote)
  • 3 colheres de sopa de queijo ralado

Modo de preparo:
  1. Misture todos os ingredientes, até a massa ficar consistente
  2. Abra a massa com um rolo, igual a rocambole
  3. Em um prato prepare o recheio com a manteiga, o creme de cebola e o queijo ralado e misture
  4. Depois espalhe sobre a massa, enrole e coloque no papel vegetal e coloque no congelador para endurecer
  5. Depois de 1 hora, corte e leve para assar
  6. Depois de assado jogue queijo ralado em cima se quiser
  7. Obs Tempo de preparo 1 hora no congelador e aproximadamente 30 minutos no forno

Mini Muffin de Cenoura (lanche)

Ingredientes

  • 4 ovos
  • 1/2 xícara de manteiga
  • cenoura picada
  • 1 xícara de leite
  • 1 tablete de caldo de legumes
  • 2 xícaras e meia de farinha de trigo
  • 1 colher de fermento em pó
  • 100 gramas de mussarela cortada em cubos pequenos

 

Modo de preparo

Bata os ovos com a manteiga, a cenoura e o leite no liquidificador até a massa ficar homogênea.
Desligue o liquidificador, passe tudo para uma tigela e acrescente a farinha de trigo e o fermento em pó
Misture bem e adicione a mussarela picada
Unte uma forma simples e leve ao forno pré-aquecido mais a menos a 200 graus por 20 minutos
E está pronto!

Manutenção de pisos de mármore

A melhor coisa para limpar, tirar manchas e dar brilho ao mármore é a parafina. Esfregue com uma flanela macia. As massas de mármores (como as de cozinha) ficam claras e brilhantes se forem esfregadas com sal e limão.

Com uma pasta de gesso e água, pode se limpar qualquer piso, parede, tampo ou peça de mármore. Para clarear pias, banheiras ou tampos de mármore manchados, polvilhe com sal fino, molhe com água oxigenada de 20 volumes e deixe ficar por algum tempo. Esfregue então com uma escovinha e enxágue com água pura.

 

Fonte: Sebastiana Quebra Galho – Rosa Amanda Strausz

Comidinhas * Receitas d& Entradas

Pão italiano à moda da Rê

Ingredientes:

1 pão italiano redondo

(Recheio)
1 xícara de queijos parmesão e Minas padrão ralados (pode substituir pelos seus queijos preferidos, como gorgonzola, alho e óleo/manteiga),
1/2 xícara de molho pesto   ou

de acordo com a sua preferência, gosto muito de misturar cebola, alho e salsa desidratados, fica delicioso e o perfume é especial.

Mode de Preparar:

De cima para baixo, corte o pão em fatias sem chegar até a base do pão, deixando as fatias grudadas umas nas outras.
Em seguida, corte o pão em fatias da mesma forma, mas no sentido perpendicular ao corte anterior, formando um xadrez.

Abra as fatias do pão com a mão, tomando cuidado para não quebrar e passe o molho pesto entre os pedaços.
Distribua o queijo entre os quadradinhos do pão.
Leve seu pão ao forno por aproximadamente 15 minutos ou até que o queijo derreta e doure por fora.
Sirva quente.

~~~Lar&Etc~~~

CEBOLA E MOLHO DO OUTBACK

APRENDA A FAZER A CEBOLA E O MOLHO DO OUTBACK (BLOOMIMG ONION)
Fonte: Publicitário na cozinha via Coma com os OlhosUm grupo de hackers Anonymous disponibilizou a receita de varias comidas secretas e uma delas é a da famosa cebola do Outback a Blooming Onion, eu não consegui achar essa receita para vocês, mas depois de muita pesquisa achei a receita que mais se aproxima a original.

A Blooming Onion tem 2 segredos: a cebola e o molho. Se você acertar nos dois já tem 85,8% da receita .Eles usam cebolas especiais para este prato, elas são 4 vezes maiores que as nossas, o segredo como disse, é escolher uma cebola grande, escolha a cebola italiana ou espanhola. Os outros ingredientes são fáceis!Vamos a receitaIngredientesPARA A CEBOLA
1 Cebola italiana ou espanhola gigante
1 ovo
1 copo de leite
1 copo de farinha de trigo
2 colheres de farinha de fubá
1 1/2 colher de chá de sal
1 1/2 colheres de chá de pimento vermelha em pó
1/2 colher de chá Pimenta do Reino em pó
1/4 colher de chá de oregano seco
1/8 colher de chá tomilho em pó
1/8 colher de chá cominho
Óleo vegetal

PARA O MOLHO
1/2 copo de maionese
2 colheres de chá de ketchup
2 colheres de chá creme de raiz forte
1/4 colher de chá de páprica
1/4 colher de chá de sal
1/8 colher de chá de oregano seco
Pitada de Pimenta do Reino em pó
Pitada de Pimenta Vermelha em pó

Modo de Preparo
1. Prepare o molho misturando todos os ingredientes numa vasilha pequena. Mantenha o molho coberto na geladeira até a hora de servir.
2. Bata o ovo e misture com o leite numa vasilha grande o suficiente para caber a cebola. (mistura 1)
3. Numa vasilha separada, misture as farinhas, o sal, as pimentas, oregano, tomilho e o cominho. (mistura 2)
4. A magia desse prato é sua apresentação. A cebola é cortada como se fosse uma flor aberta. Para fazer este corte o Outback utiliza um Blooming Onion Cutter, mas como você não tem um desses em casa vai precisar utilizar uma faca bem afiada. Primeiro corte uns 2cm do topo e da base da cebola (essas são instruções para você que conseguiu uma cebola grande, se estiver fazendo a receita com uma cebolinha pequenininha, use o bom senso). Tire a casca da Cebola. Tire o miolo dela com aproximadamente 2 cm de diâmetro. Agora use uma faca maior para cortar as ‘pétalas’ da cebola. Lembre-se para não cortar até o final e sim deixar uma beirola para a cebola não desmanchar. O ideal é fazer o primeiro corte bem no meio da cebola, girar a cebola 90 graus e cortar de novo fazendo uma espécie de ‘X’ como se estivesse fatiando uma torta. Vá cortando as seções da cebola sempre no meio com muito cuidado até ter cortado umas 16 vezes. Lembrando NÃO CORTE ATÉ O FINAL DA CEBOLA PARA NÃO DAR ERRADO NA HORA DE FRITAR. Os últimos 8 cortes são bem fininhos, use a mão firme e não fique triste se sua cebola não parecer uma flor certinha, porque mesmo assim ela ficará muito gostosa.
5. Espalhe as ‘pétalas’ da cebola. As seções da cebola tendem a ficar juntinhas, então você deve espalhar bem para facilitar a fritura e torná-la mais homogênea. (uma dica é colocá-la na geladeira por uns minutos com água e gelo).
6. Mergulhe a cebola na mistura 1 e depois, numa outra vasilha, coloque a cebola e vá jogando a mistura 2 por cima até cobri toda a cebola. Lembre de abrir bem as ‘pétalas’ e jogar a mistura na cebola toda. Uma vez que você viu que cebola está bem coberta da mistura 2, mergulhe-a novamente na mistura 1 e depois faça novamente o ritual da mistura 2 lembrando sempre de abrir bem as ‘pétalas’ para um melhor resultado final. Verifique se a parte de fora da cebola está bem coberta da mistura 2. Deixe a cebola descansar na geladeira por 15 minutos enquanto o óleo vai esquentando e ficando pronto pra fritura final.
7. Esquente o óleo numa panela funda até 350 graus. Certifique-se de que está usando óleo suficiente para cobrir toda a cebola quando for fritá-la.
8. Frite a cebola com o lado aberto pra cima por uns 10 minutos ou até ficar dourada.
9. Quando a cebola ficar dourada remova-a do óleo e deixe-a secar bem num papel-toalha.
10. Abra a cebola com cuidado e coloque a vasilha do molho no centro.

~~~~~~~Lar&Etc~~~

Aqui, uma receita do livro “Comer e Beber com Eça de Queiroz” (Rio de Janeiro, 1995), aproveitando a Páscoa e o rebuliço em torno do bacalhau, vi essa receita no blog claudiacavalcanti.net e farei:

foto

Bolos de Bacalhau

500 g de bacalhau;

400 g de batatas;

1 cebola;

2 colheres de salsa picada;

4 ovos;

sal;

pimenta;

noz moscada;

óleo para fritar

(para 6 pessoas)

Coze-se o bacalhau e retiram-se as peles e as espinhas. Depois de frio, faz-se as lascas e mete-se dentro de um pano onde se esfrega até estar em fios. Cozem-se as batatas em água temperada com sal. Pelam-se e reduzem-se a puré.

Pica-se a cebola e a salsa separada e finamente.

Numa tijela, juntam-se o bacalhau, o puré de batatas, a cebola e a salsa.

Depois de bem misturado, adicionam-se as gemas, uma a uma, batendo bem entre cada adição. Tempera-se a mistura com sal (se for necessário), pimenta e noz-moscada.

Batem-se as claras em castelo e juntam-se cuidadosamente ao preparado anterior.

Moldam-se os bolos com a ajuda de duas colheres de sopa e fritam-se em óleo abundante e bem quente.

Nota: Estes bolos ganham muito em sabor se se lhes juntar um cálice de vinho do Porto.

~~Lar&Etc~~

Aplicativos para I(Pad,Phone)

http://mdemulher.abril.com.br/culinaria/reportagem/especiais/receitas-faceis-estao-disponiveis-aplicativo-642546.shtml

http://lolamag.abril.com.br/gastronomia/aplicativos-de-culinaria-para-iphone-ipad-e-ipod/

Útil – Descascador de alho tupiniquim

Assistimos ao filme “Entre Vinhos e Amores (La Cucina)” ontem. Meu marido, adorou o “descascador de alho”!?

Hoje, quando cheguei em casa, ele me mostrou o que fez, o “descascador de alho tupiquiniquim” !!!

Esse descascador de alho não é novidade, mas acho tão simples quanto útil, descasquei dezenas de dentes de alho em poquíssimo tempo !!!